segunda-feira, 25 de junho de 2007

para alguém que amo...

esta será mais uma das noites em que vou dormir com Neruda...
Não te amo como se fosses rosa de sal, topázio ou flecha de cravos que propagam o fogo: te amo como se amam certas coisas escuras, secretamente, entre a sombra e a alma.
Te amo como a planta que não floresce e leva dentro de si, escondida, a luz daquelas flores, e graças a teu amor vive escuro em meu corpo o estreitado aroma que subiu da terra.
Te amo sem saber como, nem quando, nem de onde, te amo diretamente, sem problemas nem orgulho: assim te amo porque não sei amar de outra maneira,
a não ser deste modo em que não sou nem és, tão perto que tua mão sobre meu peito é minha, tão perto que se fecham teus olhos com meu sono.

4 comentários:

.:Tatá:. disse...

Te amo sem saber como, nem quando, nem de onde, te amo diretamente, sem problemas nem orgulho: assim te amo porque não sei amar de outra maneira...

entendo perfeitamente esses versos.. eles são como versos mudos que completam tanta coisa...
que enchem um vazio.. sem saber do que! mas enche.. e quando enche chega a doer.. pq infelizmente amor é bom se doer.. doer no setindo de amar.. amar tanto chegando a doer o peito...

filosofei!! nuuuu gastei tudo ae...
mas amor realmente é bom se doer...

no sentido positivo!
neh!

então bjo Flá..
pode deixar que volto mais aki...

Mari disse...

aaah nao preciso nem falar nada do nerudao ne, minha paixao!!!
meu sonho escrever desse jeito!
esse dai e um dos q mais gosto!

=***

Valeria disse...

vim agradecer sua visita e seu comentario tao gostoso de ler e encontrei um blog daqueles pra visitar sempre... adoro delicadezas! e aqui ha de sobra...
um beijo

Luci disse...

adoro esse poema, ele me acompanha há muito tempo... um dia leio para alguém...

bj